Artistas dão vida a viaduto na avenida Antônio Carlos


Artistas dão vida a viaduto na avenida Antônio Carlos

18/09/2017 | 12:01 | atualizado em 28/09/2017 | 20:01

“Isso aqui é cultura de rua feita por artistas, enfeita a cidade e é bonito.” Foi assim que o prefeito Alexandre Kalil se referiu ao painel feito pelos grafiteiros Nilo Zack, Hely Costa e Ataíde Miranda, em uma das paredes do viaduto Moçambique, localizado na avenida Antônio Carlos, no bairro Cachoeirinha. Os autores do grafite, que começou a ser feito no dia 9 e deve ficar pronto nos próximos quinze dias, receberam a visita do prefeito e da primeira dama, Ana Laender, na tarde deste domingo, dia 17. “Vamos ajudar os artistas na medida do possível. Temos o Programa Gentileza que propõe justamente isso e dá mais um passo na direção de elevar a autoestima do morador de Belo Horizonte, mostrando que esta cidade é uma cidade alegre, acolhedora e que tem gente feliz. Belo Horizonte é uma cidade alegre e vamos transformá-la em uma cidade mais alegre ainda”, afirmou Kalil em entrevista a jornalistas que acompanharam a visita.  

A tela, emoldurada por duas pinturas de Ataíde Miranda e cores que remetem ao país que dá o nome ao viaduto, traz dois garotos: um negro e um com fantasia de palhaço, personagens característicos nas obras de Hely Costa e Nilo Zack, respectivamente. Todo o trabalho recebeu autorização da Prefeitura para ser executado e chama a atenção de quem passa pela região. “A arte de rua tem essa proposta de contraste com o cotidiano. As pessoas vão passando e vão vendo o nosso trabalho. Aqui na avenida muita gente passa no dia a dia sempre na correria. Durante este tempo em que estamos aqui, as pessoas param e vem falar com a gente. Quanto mais cores e mais alegria para a cidade, mais os moradores gostam e aprovam. Este tipo de intervenção atinge a todos, do morador de rua aos mais ricos e as pessoas que veem sempre conseguem absorver alguma coisa”, explicou Hely Costa, que além da arte de rua, coordena o projeto Arte Favela, na região Nordeste da cidade.

 

Santa Tereza

No próximo final de semana, dias 23 e 24, um coletivo coordenado por Gabriela Meirelles, formado pelos artistas Nilo Zack, Ataíde Miranda, Hely Costa, Arthur Ribeiro, Fhero, Nika, Michel Testa, Carol, Tão, Rodrigo Scalabrini, Gud Assis e John Viana, realizará uma intervenção em um muro de aproximadamente 50 metros na rua Silvianópolis, no bairro Santa Tereza, entre as ruas Pirite e São Gotardo.

“Eu sou morador de Santa Tereza desde menino. Aquele lugar é minha vida, minha história. Já fiz vinte metros de grafite lá e agora a Gabriela incentivou esta ação comunitária para terminar mais um presente para o bairro e para a cidade. Cada um vai usar o seu material. Alguns artistas vão usar o tema de Santa Tereza e outros farão um trabalho mais livre. É legal levar esta diversidade para os muros do bairro. Uma diversidade que já existe lá em outras manifestações artísticas. A intenção é fazer um evento bem bacana com bloco carnavalesco, um evento para a família dando um presentão para Santa Tereza”, afirmou Ataíde Miranda que há 47 anos mora no bairro.  

Os murais nos bairros Cachoeirinha e Santa Tereza são iniciativas que estão inseridas no Programa Gentileza, uma resposta afirmativa da Prefeitura de fomento e valorização das artes visuais.  

 Além do apoio a iniciativas dos artistas urbanos, o Gentileza, que vai englobar ações de diversas áreas, também prevê a publicação de um edital por meio da Secretaria Municipal de Cultura, que vai estimular a arte urbana em vários espaços da cidade.

 

17/09/2017. Alexandre Kalil visita artistas do programa Gentileza no Bairro Cachoeirinha, av. Antonio Carlos, próximo ao viaduto Moçambique. Fotos: Rodrigo Clemente/PBH

 

Fonte: prefeitura.pbh.gov.br/noticias/artistas-dao-vida-viaduto-na-avenida-antonio-carlos

admin

Um texto sobre min....